Le Santé

Fake News podem prejudicar diagnóstico e tratamento do câncer!

14 de março de 2019

Com a popularização de aplicativos de mensagem, a divulgação das chamadas Fake News (notícias falsas em inglês) acontece de forma ainda mais rápida e intensa. Porém, acreditar nessas notícias pode trazer graves consequências para pacientes oncológicos, dificultando o tratamento e agravando o já frágil quadro de saúde.

Recentemente, para diminuir o número de notícias falsas, o Google lançou o Selo de Verificação de Fatos. A ferramenta é resultado de parcerias com veículos tradicionais e startups de mídia, que trabalham para averiguar a veracidade de informações sobre mitos urbanos, política, saúde e até a própria imprensa. Para o Google, a medida se trata de um pequeno passo no caminho de melhorias para o universo digital.

No caso de notícias sobre o câncer, os boatos são inúmeros. Algumas publicações na web sugerem que a mistura de bicarbonato de sódio e suco de limão é tão poderosa quanto qualquer medicamento convencional e que o chá feito com folhas de graviola destrói as células cancerígenas. Tudo isso não passa de mentira.

Como as fake news podem atrapalhar o diagnóstico e o tratamento oncológico?

Quando os pacientes absorvem a informação errada, automaticamente se sentem inseguros com o próprio tratamento. E ainda podem adotar hábitos que poder ir contra sua própria saúde.

Tipos de cânceres que mais sofrem com as fake news:

Sabemos que 68% das informações disponíveis sobre o câncer na internet são falsas. E também que a cada 40 mil buscas feitas no Google, 2 mil são relacionadas à saúde de uma forma geral. Não temos os dados referentes a qual tipo de câncer mais sofre com as fake news. Mas com certeza a incidência de notícias falsas, nesse contexto, é enorme. Os tipos de tumores que causam mais rumores são aqueles que acometem um maior número de pessoas, como mama, pulmão, próstata, entre outros.

Saiba como identificar as fake news sobre câncer:

Checar a fonte da notícia é importante sempre. Informações adquiridas a partir de sites de hospitais de referência são sempre mais confiáveis. Quando visitar a página de algum médico, procure também dados sobre a sua formação, histórico profissional e locais onde trabalha. Confirme se é registrado no Conselho Regional de Medicina. Existem ONGs que já são reconhecidas como referência para diversos temas na oncologia. É preciso estar alerta.

Conheça algumas notícias falsas veiculadas na internet sobre o câncer
Cientistas israelenses e a cura do câncer:

Essa notícia é falsa! Não compartilhe! Não há qualquer evidência sólida clínica reportada que permita dizer que haverá qualquer cura baseada no que está sendo proposto. A terapia proposta é uma utilização de peptídeos, pequenos fragmentos de proteínas, que têm potencial terapêutico. O texto apresentado, no entanto, é essencialmente sensacionalista e não se sustenta em dados sólidos. Como está elaborado, é Fake News.

Gelo causa câncer:

Não há nenhum nexo científico nas afirmações. Trata-se de uma afirmativa falsa, não há relação entre consumir gelo em qualquer período do ciclo menstrual e a incidência de câncer. Não compartilhe essa mensagem. Ela é falsa!

Cura do câncer por alimentos milagrosos:

O conteúdo da mensagem é falso. Apesar da redução do consumo de açúcar ser benéfica para a saúde e para a prevenção do câncer, uma vez que a doença está instalada, não há alimentos ou medidas milagrosas capazes de eliminá-la. O paciente de câncer deve buscar orientação médica, seguir o tratamento proposto pelo especialista e evitar buscar soluções milagrosas divulgadas de forma imprudente nas mídias sociais.

Uso do celular no escuro e câncer de olho:

O texto intitulado uso do celular no escuro está repleto de informações equivocadas e sem comprovação científica. Não existem estudos científicos mostrando que o uso do celular, seja a noite ou durante o dia provoque maculopatia (que o texto erroneamente classifica como câncer no olho), catarata, olho seco, degeneração macular ou perda de visão.  

Para evitar o impacto das notícias falsas na saúde da população, o Ministério da Saúde possui um canal aberto com a população, pelo WhatsApp, para esclarecimento de Fake News. No Saúde Sem Fake News, qualquer cidadão pode enviar gratuitamente mensagens com imagens ou textos que tenham recebido nas redes sociais para confirmar se a informação procede, antes de continuar compartilhando. O número para envio de mensagens é o (61) 9-9289-4640.